Arquivo | Filme RSS feed for this section

Mania de Pipoca: Figurinos Que Marcaram

30 abr

Que eu me lembre o primeiro vestido que eu amei em minha vida foi o da Bela de “A Bela e a Fera“, e desde então esse vestido faz parte do meu desejo e imaginário! Ele é lindo e perfeito, um sonho!

Eu sempre soube que amaria vestidos e roupas femininas! E uma das coisas que mais me chamam a atenção são os figurinos no cinema. É a peça importante para uma história passar a veracidade e a magia imprencidíveis ao enredo do filme.

Duvido que uma de vocês não tenha suspirado em cima de todos os looks de Andy Sachs (Anne Hathaway) em “O Diabo Veste Prada”, mas meu coração parou quando vi a cena que em que ela espera o namorado Nate totalmente repaginada, dos pés a cabeça, com franja linda e aquela super bota Chanel, acima dos joelhos, omg quero uma daquelas até hoje!

E “como perder um homem em 10 dias” se você usa um vestido lindo amarelo ouro, de fazer suspirar qualquer macho de plantão?! Andie Anderson (Kate Hudson) sabia realmente como ficar charmosa, com cabelo ondulado e vestido com costas a mostra. Conquistou Ben Barry (Matthew McConaughey) na hora!

Outra inspiração minha vem de um filme que sempre passa na Sessão da Tarde: “Um dia especial” com Michelle Pfeiffer e George Clooney, em que a personagem de PfeifferMelanie Parker sem querer usa um dos looks mais utilizados hoje em dia, camiseta descontraída com alfaiataria!

Mais um vestido amarelo! Parece que vestidos amarelos chamam mesmo a atenção, principalmente a minha. Em “O casamento do meu melhor amigo” o estilo todo perfeitinho de Kimberly (Cameron Diaz), era impecável. Quando ela aparece a primeira vez no filme como a futura esposa de Michael (Dermot Mulroney) ela dá aquele impacto, com um tubinho amarelo e um lenço no pescoço, elegantérrima, deu uma raiva em Julianne Potter  (Julia Roberts) e daria em qualquer uma, saber que seu ex vai casar com uma mulher linda e perfeita!

Summer Finn (Zooey Deschanel)  me fez ser louca por seus looks vintage, em “500 dias com ela“, era uma saia mais linda que a outra, um vestido mais de babar do que o outro. Até mesmo o guarda roupa de Tom Hansen  é inspirador neste filme, contemporanêo e ao mesmo tempo retrô.

Os looks de Holly Kennedy (Hillary Swank) em P.S. Eu te amo, são todos arrumadinhos, cheios de camisas de seda, casacos 3/4, chapéus e boinas maravilhosos, e ninguém no mundo do cinema consegue usar tiaras de um jeito tão fofo como ela. Com certeza uma inspiração de deixar qualquer uma com jeito de boa menina.

E por último, e nem um pouco menos importante, tem umas galochas que me fazem pirar a cabeça, e a protagonista do filme “Maluca Paixão“, Mary Horowitz (Sandra Bullock), não as tira dos pés nunca durante toda a história. Uma personagem tão descontraída só podia mesmo ter um figurino divertidissimo como o dela. Adoro!

Ótima semana pessoal!

Vivianne Becker

Anúncios

Mania de Pipoca: P.S. Eu te amo

22 abr

 

Nesse filme eu choro do inicio ao fim, é um dos filmes mais lindos e românticos que existem! Ele é a  tradução literal do best-seller de Cecelia Ahern, uma história que prende você, que quando você vai se debulhar em lágrimas os personagens fazem uma piada, como se soubessem que a história estava ficando muito pesada para nossos coraçõezinhos. Um filme de 2007 dirigido por Richard LaGravenese (mesmo diretor de “O Diabo veste Prada“), e estrelado por Hilary Swank, Gerard Butler, Gina Gershon, Lisa Kudrow e Jeffrey Dean Morgan. Dúvido que vocês não o tenham assistido ainda!

O filme em síntese fala sobre amor, mas também fala sobre evolução pessoal, sobre encontrarmos o nosso caminho, sobre amizade, sobre destino, sobre paixão por algo e sobre vitória! Holly (Swank), é uma jovem de 30 anos, que após viver uma linda história de amor, tem que passar por cima deste luto e encontrar seu caminho, para isso  ela conta com a ajuda das cartas de seu esposo falecido, além de sua mãe, irmã e amigos, para tentar encontrar a solução para o seu mundo. Antes de Gerry (Buttler), ter falecido, ela já não havia se encontrado, estava sempre desgostosa com a vida e procurando uma solução para eles começarem a viver. Gerry, sempre mais extrovertido e feliz consigo mesmo e com a vida que tinha, tentava dar forças à ela, porém ela só passa a entender mesmo após a morte dele.

Kathy Bates, faz uma mãe de verdade, aquela que quando precisa te diz palavras duras para você acordar. Outro personagem ótimo e que te faz rir muito é nossa eterna querida do seriado “Friends“, Lisa Kudrow é uma peça importante do filme, trazendo uma alegria inteligente à história.

Além de toda a tocante história ainda temos uma fotografia extremamente competente, que mistura belezas urbanas de Nova York com as belas paisagens naturais da Irlanda, e uma trilha sonora impecávelmente linda!

Buttler está tão envolvente como o marido apaixonado, que você também é conquistada durante o enredo da história.

É o pedido ideal para quem está procurando um filme de romance diferente, cheio de otimismo. Eu amo! Recomendo!

Beijos e um ótimo domingo queridos!

P.S. Adoro vocês!

Vivianne Becker

Mania de Pipoca: Espelho, Espelho Meu

15 abr

Esse ano é da Branca de Neve pelo jeito. Vamos ter duas produções sobre esse conto de fadas com versões bem diferentes uma da outra.

A primeira versão é “Espelho, espelho meu” dirigida por Tarsem Singh e é uma paródia divertida da história original.

Com Julia Roberts num papel inédito para ela, fazendo uma vilã, e no papel de Branca de Neve temos Lily Collins, ex-apresentadora da Nickelodeon, que faz uma Branca de Neve mais independente e batalhadora do que a clássica dos irmãos Grimm.

Tudo vai bem no Reino Encantado até que a Bruxa Má (Julia) assume o controle, e precisa desesperadamente casar com o Príncipe Encantado (Armie Hammer), para salvar seu Reino da falência.  O Príncipe acaba se apaixonando pela Branca de Neve. A Bruxa claro, manda a garota para a floresta, que depende da ajuda dos anões para reconquistar seu trono e seu amado.

Julia Roberts interpreta uma Bruxa Má muito divertida e irônica, que mesmo querendo dominar o Reino, maltratando a heroína da história, e querendo ser a mais bela, não consegue ser odiada. Prova e comprova que continua com a corda toda.

Uma versão da história, nada convencional! Uma comédia que vai fazer você sorrir! Cheia de paradoxos como a luta do velho contra 0 novo, e os sacrifios feitos para ser sempre bonita.

O figurino com cores berrantes, chama muito a atenção, constrastando com o cenário bem neutro em tons de marrons e cinzas.

Estreiou nos cinemas semana passada, assista, você vai adorar!

 

Beijos, beijos!

Vivianne Becker

Mania de Pipoca: A invenção de Hugo Cabret

8 abr

Um filme poético, com toda a beleza necessária a uma grande história. Entrou para a lista dos meus filmes prediletos desde o dia em que o vi. Tudo foi muito bem planejado por Martin Scorsese, o roteiro, o figurino, a fotografia, os cenários, a magia que envolve a história. É de filmes assim que precisamos no mundo difícil em que vivemos, filmes que nos façam sonhar! E este filme é mesmo sobre sonhos e descobertas, sobre reviravoltas que a vida pode dar e mistérios que nos levam ao caminho certo.

 “Se o mundo fosse uma grande máquina eu não poderia ser uma peça sobressalente.”

Com frases de efeito e uma história comovedora,  homenageando  o pai dos efeitos especiais Georges Méliès, que realmente existiu, e produziu mais de 500 filmes, sendo o mais famoso dele Le voyage dans la lune (Viagem à lua) de 1902, de onde vem o desenho que é uma peça importante da história.

Um elenco maravilhoso recheado por Jude Law, Asa Butterfield, Ben KingsleyBorat Sacha Baron CohenChloë Grace Moretz.

Na Paris pós Primeira Guerra Mundial, Hugo Cabret (Asa), vive sozinho na estação de trem da cidade, acertando os relógios, trabalho de seu tio alcoólatra que o abandona. Seu único alento é um autômato (espécie de robô do inicio do século xx), que seu pai (Jude Law) deixa para ele antes de sua morte. Ele acredita que consertando o autômato ele terá uma mensagem importante de seu pai. Na busca das peças ele descobre muitas coisas sobre si mesmo e sobre as pessoas que o rodeiam.

Nesse caminho para a descoberta de sua vida ele conhece o cineasta Méliès (Kingsley) e sua sobrinha Isabelle (Moretz). O filme mostra que realmente ninguém é uma peça sobressalente e que todos necessitam dos outros para sermos felizes.

Eu adorei o filme e cada vez que o assisto aprendo um pouco mais com a perseverança e crença na vida que Hugo cabret possui. uma grande obra de Scorsese, para se guardar e assistir muitas e muitas vezes!

 

“Gosto de imaginar que o mundo é uma grande máquina. Você sabe, máquinas nunca tem partes extras. Elas têm o número e tipo exato das partes que precisam. Então imagino que se o mundo é uma grande máquina, eu também estou nele por algum motivo. E isso significa que você também está aqui por alguma razão.”

Feliz páscoa a todos!

Beijos,

Vivianne Becker

Mania de Pipoca: O Artista

25 mar

Quando eu comecei a assistir este filme, quase desisti, pensei “Deve ser chato ver filme preto e branco, ainda por cima mudo”, causou estranheza,  mas ser ganhador do Oscar pesou muito e eu continuei assistindo, até que eu me vi rindo muito das várias cenas e achei a coisa mais gostosa de se asssistir!

Deve ser o charme de Jean Dujardin ou o carisma de Bérénice Bejo, ou de repente a magia do enredo, mas eu sei que fiquei presa a história e chorei e ri, tudo ao mesmo tempo!

É incrível como são bons atores, como conseguem passar com expressões faciais e corporais tudo aquilo que sentem e pensam, é como se falassem, e é verdade, as imagens falam!

A cada cena que passa você segura a respiração para saber o que virá, cada agonia na vida de George Valentin (Dujardin) é como se fosse em sua própria vida!

É uma comédia, é um drama, é tudo junto. Produção francesa e americana do Diretor Michel Hazanavicius, venceu 5 Oscars e 3 Globos de Ouro, incluindo melhor filme e melhor ator para Dujardin. Completamente original, Michel conseguiu trazer a magia dos cinemas dos anos 20, para os anos 2000, e de uma forma tão simples que surpreende!

O Artista” conta a história de George Valentin (Dujardin), ator célebre da época dos filmes mudos, em transição para filmes sonorosValentin não aceita essa reviravolta no mundo do cinema e passa por poucas e boas. Enquanto ele some das telas devido à seu orgulho, Peppy Miller (Bérénice Bejo), sua fã,  triunfa em Hollywood, fazendo de sua voz um “Q” a mais no universo cinematográfico.

O filme se passa no período entre 1929 e 1932, em que muitos atores de sucesso foram à falência devido a resistência à mudança e a quebra da bolsa de Nova York que causou pandemônios na economia.

Deve ter sido um sonho fazer este papel no filme, viver uma grande atriz dos tempos aúreos do cinema! O figurino de Peppy é extremamente elegante e fino, não há uma peça que eu não tenha amado e desejado!!!

A história mostra o deslumbramento de uma jovem no mundo novo dos cinemas em contraste com a decadência que algumas mudanças não aceitas podem trazer para nossas vidas. O filme nos conta sobre amizade, caridade, orgulho e sobretudo sobre paixão, paixão pela arte, pela vida, pelo que se faz e por uma pessoa.

É de se deleitar e aprender muito com esta história.

Dujardin e Bejo provaram que ainda existem grandes atores, tão flexíveis que podem nos fazer gargalhar e chorar sem proferir uma palavra sequer. E este filme já é um de meus preferidos!

Beijos, Vivianne Becker